Quando começou a Quarta-feira de Cinzas e por que a celebramos?

A Quarta-feira de Cinzas inicia o tempo da Quaresma, época em que muitos cristãos se preparam para a Páscoa observando um período de jejum, arrependimento, moderação e disciplina espiritual. Embora a Quarta-feira de Cinzas tenha raízes antigas, ela não aparece nos rituais da Igreja Metodista Unida ou de nossas denominações predecessoras até o século 20. Ilustração fotográfica de Kathleen Barry, Comunicações Metodistas Unidas.

A Quarta-feira de Cinzas inicia o tempo da Quaresma, época em que muitos cristãos se preparam para a Páscoa observando um período de jejum, arrependimento, moderação e disciplina espiritual. Embora a Quarta-feira de Cinzas tenha raízes antigas, ela não aparece nos rituais da Igreja Metodista Unida ou de nossas denominações predecessoras até o século 20.

A Quarta-feira de Cinzas enfatiza dois temas: nossa pecaminosidade diante de Deus e nossa mortalidade humana. O culto se concentra em ambos os temas, ajudando-nos a perceber que ambos triunfaram por meio da morte e ressurreição de Jesus Cristo.

 

As cinzas são um símbolo antigo. Em Gênesis, lemos que Deus formou os seres humanos do pó da terra (Gênesis 2:7). Após a expulsão do Jardim do Éden, Deus diz aos primeiros seres humanos: “Você é pó e ao pó voltará” (Gênesis 3:19 NRSV). A palavra hebraica traduzida como pó, ocasionalmente é traduzida como cinzas em outros lugares. Ao longo das escrituras, as cinzas fazem parte dos rituais quando as pessoas buscam perdão e lamentam seus pecados (ver Números 19:9, 17; Hebreus 9:13; Jonas 3:6; Mateus 11:21 e Lucas 10:13, entre outros)

A imposição de cinzas nas cabeças dos cristãos para marcar o início da Quaresma pode ser rastreada pelo menos até o século X. Marcar a testa com o sinal da cruz é uma adaptação mais recente.

Nos séculos anteriores, as cinzas eram usadas para marcar aqueles que haviam sido separados da igreja por causa de pecados graves e buscavam ser readmitidos na comunhão da igreja. Na verdade, eles estavam refazendo o processo de preparação final para a membresia da igreja junto com aqueles que o faziam pela primeira vez. Eles foram polvilhados com cinzas e receberam roupas rústicas para usar como sinal de tristeza por seus pecados e seu compromisso de buscar renovação na vida cristã durante esta temporada.

Desde o século X, a observância da Quarta-feira de Cinzas tornou-se um rito geral para todos na igreja ocidental. As igrejas ortodoxas nunca observaram este rito.

Os Metodistas Unidos adotaram pela primeira vez um ritual oficial para a Quarta-feira de Cinzas que envolve o uso de cinzas no Livro de Adoração de 1992. Antes dessa época, os metodistas não tinham nenhum serviço oficial para este dia (até 1964) ou um serviço de quarta-feira de cinzas “sem cinzas” (Livro de Adoração de 1965). O uso de cinzas permanece opcional no atual Livro de Adoração e, de fato, em todos os ritos para este dia. As cinzas são um “acessório” que demonstra uma consciência da mortalidade e uma intenção de arrependimento. A consciência real e os atos corporativos e pessoais de arrependimento são a substância dos serviços para o primeiro dia da Quaresma.

Em muitas igrejas as cinzas são feitas queimando as palmeiras do Domingo de Ramos do ano anterior.

À medida que as cinzas são colocadas na testa, palavras como estas são ditas: “Lembra-te de que és pó e ao pó voltarás”, lembrando as palavras de Deus a Adão em Gênesis 3:19, ou “Arrependa-se e creia no evangelho”. lembrando a mensagem de João Batista e Jesus (Marcos 1:15).

Através do serviço das cinzas no primeiro dia da Quaresma, chegamos diante de Deus reconhecendo nossa humanidade, arrependendo-nos de nossos pecados e lembrando quem somos e quem podemos ser.